Confira tudo o que você precisa saber sobre assexualidade

Por Macaela Mackenzie e Alyssa Girdwain - Redação WH EUA

Foto: Shutterstock

Embora a assexualidade não seja exatamente comum (falaremos mais sobre isso abaixo), é um tipo de sexualidade muito real com o qual algumas pessoas se identificam. “Não é que algo esteja errado com alguém assexuado”, diz Courtney Watson, terapeuta sexual da Doorway Therapeutic Services. “Eles simplesmente ficam em um lugar diferente no espectro do desejo sexual”.

Muita coisa é incompreendida sobre assexuais. Portanto, abra a mente e vamos descobrir o que realmente é a assexualidade.

Leia mais
+ ISTs orais: Proteção no sexo oral?
+ Descubra se você está em um relacionamento tóxico
+ 22 dicas de como se masturbar (e amar cada segundo)

1Assexuais não experimentam atração sexual.

Como a heterossexualidade, a pansexualidade e a homossexualidade, a assexualidade é uma orientação sexual. Segundo a Rede de Visibilidade e Educação Assexuada, o termo descreve “uma pessoa que não sente atração sexual”. Isso não quer dizer que as pessoas assexuais não possam desenvolver sentimentos românticos ou estabelecer conexões emocionais. De fato, existem várias maneiras pelas quais alguém pode se identificar como assexual.

2Não é supercomum

Algumas estimativas colocam a prevalência de assexualidade em apenas 1 em 100, observa Liz Afton, LMSW, psicoterapeuta do The Gender & Sexuality Therapy Center, em Nova York. Isso ajuda a explicar por que assexuais geralmente são mal interpretados.

3Existe diferentes situações.

Em alguns casos, uma pessoa assexual deseja uma conexão romântica, mas não estará interessada em fazer sexo. Outros experimentam o desejo de fazer sexo – mas isso só vem com uma profunda conexão emocional com alguém. Muitas pessoas que se identificam como assexuais ficam em algum lugar entre esses dois.

A assexualidade também é fluida, acrescenta Watson. Isso significa que a assexualidade não será a mesma em todos os aspectos da vida de alguém. Assim, embora uma pessoa assexual possa não estar interessada em romance a certa altura, ela pode estar mais tarde.

4Não é uma condição médica.

A assexualidade é freqüentemente confundida com uma baixa libido, que é um diagnóstico clínico que pode ser causado por uma variedade de razões médicas.

Ao contrário de ter uma baixa libido, a assexualidade não é uma condição médica e não é de forma alguma um “distúrbio” que possa ou deva ser tratado, diz Kristen Lilla, L.C.S.W., uma terapeuta sexual certificada e educadora de sexualidade em Nebraska.

5Também não é celibato.

Ser celibatário, escolher abstinência ou negar o sexo são escolhas que você faz –  a assexualidade, uma orientação sexual, não é. “O celibato é sobre comportamento, enquanto a assexualidade é sobre sentimentos e experiências subjacentes de atração e desejo sexual”, aponta Kahn.

6Nada está “errado” com assexuais.

Ser assexual não significa que haja algo fisicamente ou psicologicamente distorcido. Vou dizer mais alto para as pessoas quem ainda não entendeu: assexualidade é uma orientação sexual. Como Afton nos lembra, não é “causado” pela sobrevivência à violência sexual ou por outros fatores externos.

7Qualquer pessoa pode ser assexual.

Apesar da noção antiquada de que os homens têm maior desejo sexual do que as mulheres, o gênero não afeta a assexualidade (e tampouco qualquer outra construção sexual). “Essas narrativas limitam nossa compreensão do desejo e da sexualidade”, diz Kahn. Como em qualquer outra orientação sexual, absolutamente qualquer pessoa pode se identificar como assexual.

8Se você se identificar como assexual, ainda poderá namorar (se quiser).

Assim como os não-assexuais, “as pessoas que são assexuais podem namorar homens, mulheres e pessoas trans”, diz Lilla.

Pense da seguinte maneira: se você fizesse uma lista de todas as coisas que o atraíam para seus parceiros, é provável que essa lista não comece nem termine com a forma como você se sente em suas regiões inferiores, certo? Somos atraídos pelas pessoas por dezenas de razões – seus sentidos peculiares de humor, intelecto matador e pelo carinho. O mesmo vale para as pessoas que se identificam como assexuadas e experimentam atração romântica.

“Existem muitas dimensões nos relacionamentos”, diz Afton. Então, sim – existem maneiras de criar intimidade em um relacionamento que não envolve o que há entre suas pernas.

9Assexuais ainda podem fazer sexo…

A lista de razões para começar é longa e variada, como é para alguém que se identifica com qualquer outra orientação. “Alguém que se identifica como assexual pode não experimentar atração sexual, mas ainda assim pode querer ter intimidade com um parceiro como uma liberação física ou estar próximo e íntimo de alguém fisicamente”, explica Lilla. “Dependendo da pessoa, eles podem não querer ser físicos, mas podem optar por dar prazer ao parceiro, mesmo que não desejem ter prazer.” Em suma, como a maioria das coisas na vida, isso realmente depende do indivíduo.

10… e orgasmos.

E sim, o sexo ainda pode ser agradável se você for assexual – a orientação não afeta a anatomia. “O sexo ainda é um ato fisicamente prazeroso”, explica Lilla. “Alguém que se identifica como assexual pode ter orgasmos como qualquer outra pessoa ”, acrescenta Eric Marlowe Garrison, sexólogo clínico e professor do College of William and Mary.

Alguém que é assexual pode até se masturbar, diz Garrison. “Eu diria que cinco a sete em cada dez pacientes assexuais que eu já vi no meu consultório se masturba”, diz ele.

Confuso? Garrison explica que você deve se lembrar de que há muitas coisas boas em ter um orgasmo além do óbvio prazer sexual. Eles podem ser uma maneira de desabafar, reduzir o estresse – ou até mesmo ajudá-lo a se livrar de uma dor de cabeça.

11Uma pessoa assexual pode decidir abrir seu relacionamento.

“Se esse casal está aberto à não-monogamia, essa pode ser uma maneira de um parceiro conseguir satisfazer essa necessidade sexual”, diz Watson. No entanto, é importante para uma pessoa assexual liderar a conversa sobre quando e onde o sexo entrará no relacionamento, para que eles possam ter certeza de que estão confortáveis. “Existe pressão suficiente do mundo exterior para que o sexo seja uma coisa em particular”, acrescenta ela.

12Se você não sabe se é assexual, entre em contato consigo mesmo.

Watson sugere dedicar algum tempo para fazer uma busca na alma – se você estiver confortável com isso. Faça um plano para avaliar intencionalmente onde estão seus interesses na próxima vez que você se masturbar ou fazer sexo. Fazendo questão de avaliar seu nível de prazer durante o sexo, você terá mais facilidade em identificar o que faz você se sentir bem e o que você pode prescindir. Isso acabará por ajudá-lo a determinar onde você se encontra no espectro da sexualidade.

13A percepção de que você é assexual pode parecer um alívio.

“Normalmente, ele se manifesta ao mesmo tempo em que todos começam a perceber e reconhecer sua sexualidade, durante o início da adolescência”, explica Lilla. “No entanto, as pessoas que são assexuadas geralmente não entendem como descrever sua sexualidade até a idade adulta.” Eles podem tentar namorar outras pessoas e ter intimidade com elas, mas sabem que algo simplesmente não está dando certo.

E quando alguém percebe que é assexual, “há um enorme alívio, porque eles finalmente entendem por que nunca experimentaram atração sexual”, diz Lilla.

14A assexualidade teve alguns momentos importantes da cultura pop nos últimos anos.

Na série Netflix, Bojack Horseman, Todd, que é companheiro de quarto de Bojack em grande parte da série, aparece para Bojack como assexual – algo que muitas pessoas assexuais responderam, dizendo que as fazia se sentirem vistas.

Em Game Of Thrones, o personagem Lord Varys também disse que era assexual antes de se tornar um eunuco. “Quando vejo o que o desejo faz com as pessoas, o que é feito com este país, fico muito feliz por não fazer parte dele”, diz ele no programa.

15Você não está sozinho se for assexual. Existe apoio.

Se você ainda está lutando ou confuso, procure um terapeuta sexual. “Você não precisa se sentir sozinho nisso, porque existem pessoas que são treinadas especificamente para ajudá-lo a lidar, classificar e gerenciar esses sentimentos”, diz Watson.