ISTs orais: Proteção no sexo oral?

Por Dr. Kate White - Women's Health EUA

ISTs orais
Foto: Shutterstock

Quando você pensa em usar proteção durante o sexo, sua mente pode naturalmente te levar a pensar na penetração. Mas a realidade é que a proteção também é importante durante o sexo oral – mesmo que as pessoas às vezes ignorem esse fato. Um preservativo na sua boca? Alguém realmente faz isso? Quais são os riscos de contrais ISTs orais?

Leia mais
+ Ejaculação feminina: Afinal é mito ou verdade?
+ Design vaginal: tudo sobre labioplastia
+ Dicas para fazer um sexo oral inesquecível - para você e para ele

A resposta curta é: a pior coisa que pode acontecer é que você pode contrair uma IST se não souber qual o status do seu parceiro. Lembrando que é importante fazer o teste regularmente mesmo com um parceiro monogâmico.

Mas se você quiser fazer tudo o que puder para minimizar o risco de contrair ISTs também precisará se proteger durante o sexo oral. Vamos falar sobre a segurança do sexo oral e qual a forma de proteção que você deve usar para se proteger adequadamente.

O sexo oral pode ser “mais seguro” do que a relação sexual quando se trata de contrair uma IST, mas não é totalmente seguro.

Essencialmente, todas as ISTs que você pode obter por meio de relações sexuais, também podem ser contraídas via sexo oral, tanto para o oral-genital quanto para o oral-anal.

ISTs orais

  • Clamídia
  • Gonorréia
  • Sífilis
  • Tricomoníase
  • Herpes
  • Papilomavírus humano (HPV)
  • Vírus da imunodeficiência humana (HIV)

As chances de transmissão de ISTs são menores em um único ato de sexo oral, em comparação com uma rodada de relações sexuais. Não houve muita pesquisa para provar por que exatamente isso ocorre. E pode haver um viés de gênero na pesquisa (há mais pesquisas analisando o sexo oral masculino do que o sexo oral feminino). Mas uma razão pela qual a via oral é um pouco mais segura pode ser por que, geralmente, há menos área sendo tocada do que na relação sexual, assim as infecções possam se espalhar com menos facilidade.

A questão é, no entanto, que é complicado até identificar exatamente onde uma IST se originou. Isso ocorre porque muitas pessoas alternam entre as relações orais e penetrações durante seus encontros sexuais. Portanto, sua melhor aposta é cobrir (literalmente!) todas as suas bases com métodos de proteção, não importa qual o tipo de sexo.

Curiosamente, os especialistas pensam que muitas ISTs podem passar mais facilmente ao realizar sexo oral em um parceiro com um pênis em comparação com um com uma vagina. Porém, precisamos de mais pesquisas para apoiar isso. Uma teoria possível sobre por que as ISTs podem se espalhar mais comumente pelo sexo oral quando um pênis está envolvido é que o pênis tem mais área de superfície do que a vulva e o clitóris. Mas isso é apenas um palpite. E, para sua informação, as ISTs podem ser transmitidas em qualquer direção, mas é mais provável que a pessoa que tem a infecção passe por seus órgãos genitais do que a de alguém que lhe dê por via oral uma infecção oral.)

ISTs orais também podem se espalhar para outras partes do corpo

As ISTs orais – por exemplo, uma infecção por herpes ou clamídia na boca ou na garganta e que provém dos órgãos genitais de um parceiro – podem ser difíceis de diagnosticar, porque podem não mostrar sintomas óbvios. E não somos rotineiramente testados para ISTs na boca ou na garganta. Com uma IST genital, geralmente você tem sintomas visíveis ou mesmo visuais, como erupção cutânea ou lesões.

Por outro lado, com clamídia oral, por exemplo, você pode nem saber que está com ela – pode até não ter tanta dor de garganta – e pode, sem saber, passá-la para outras pessoas. O HPV também pode se espalhar como uma infecção oral e freqüentemente sem sintomas.

Além disso, algumas ISTs, como gonorréia e sífilis, podem não apenas permanecer locais como podem também afetar outras áreas do corpo. Portanto, lembre-se: o que começa na garganta pode não ficar na garganta.

Você tem algumas opções de proteção para sexo oral

Para oral em um parceiro com pênis, considere usar um preservativo comum. Os preservativos não cobrem todo o tecido genital, mas reduzem o risco de contrair uma DST dos órgãos genitais de um parceiro. O látex, mesmo com sabor, pode não ser tão bom quanto o seu parceiro – mas lembre-se de que tudo isso é seguro.

Para aqueles que praticam oral em parceiras, considere o uso de barragens dentárias. Uma barragem dental é um quadrado de látex que você coloca sobre os lábios e o clitóris para fazer sexo oral. Elas podem não ser tão facilmente acessíveis no mercadinho local quanto os preservativos, mas são fáceis de encontrar na Amazon.

Se você sabe que vai se envolver tanto em sexo oral quanto em relações sexuais, pode usar um preservativo interno, que fornecerá alguma proteção para ambos os tipos de sexo. Um preservativo interno parece um tubo; uma cápsula ou um anel com uma extremidade é colocado na vagina, e um anel na outra extremidade circunda a abertura vaginal e cobre os lábios e o clitóris. Uma observação importante: não use preservativo interno e externo para relações sexuais ao mesmo tempo – isso pode causar muito atrito e os preservativos podem rasgar.

Ah, e a embalagem plástica *não* foi estudada como proteção (apesar do que você pode encontrar em fóruns da web ou de brincadeiras com amigos ou parceiros). Então, enquanto é tentador.