Prisão de ventre: porque afeta mais as mulheres, causas, sintomas e como melhorar

Por Giulia Villa Real Seabra

prisão de ventre
Foto: Shutterstock

A constipação recorrente ou prisão de ventre faz parte da vida de muitas mulheres brasileiras. Estima-se que no Brasil, 37,2% das mulheres sofram desta condição. Mais quais são os sintomas? Por que as mulheres têm mais prisão de ventre do que os homens?

Leia mais

9 motivos pelos quais você está fazendo mais cocô ultimamente
Estes 10 truques vão te ajudar a fazer mais cocô
Porque sinto vontade de fazer cocô depois de tomar café?

O que é e sintomas da prisão de ventre

Grande parte de nossas emoções é influenciada pelos nervos do intestino. Os sinais do intestino podem atingir diferentes partes do cérebro – o intestino possui um grande sistema de nervos, o que o torna o maior órgão sensorial do corpo. O cérebro tem um efeito direto no estômago e nos intestinos – o cérebro e o sistema gastrointestinal estão intimamente conectados.

“A constipação recorrente é caracterizada por evacuação incompleta, difícil ou pouco frequente. Os sintomas incluem ter menos de três evacuações por semana, esforço, fezes duras, evacuação incompleta ou incapacidade de fazer cocô”, conta a gerente médica da Divisão de Farmacêuticos Estabelecidos da Abbott no Brasil, Dra. Lilian Sales.

O que causa a prisão de ventre e porque ela é mais recorrente em mulheres?

“As mulheres costumam reprimir a vontade de evacuar com mais frequência por vergonha de fazer cocô perto de outras pessoas ou para evitar o uso de banheiros públicos ou no trabalho”, diz Sales. Isso faz com que o nosso corpo desaprenda do que fazer quando surge a vontade de fazer cocô.

Fatores hormonais também interferem nos movimentos peristálticos, aqueles que “levam” as fezes pelo intestino em direção ao reto. As dietas restritivas, muito adotadas por mulheres, também são um fator influente, porque levam a diminuição do consumo de fibras e água.

Prisão de ventre na gravidez

Na gravidez, outros fatores contribuem para a piora do quadro. Entre eles: suplementação de ferro (obrigatória para todas as gestantes), redução na atividade física, capacidade reduzida do cólon (por obstrução mecânica provocada pelo aumento do útero) e os efeitos hormonais que reduzem os movimentos peristálticos. “Por outro lado, na menopausa há uma queda do estrógeno que também pode agravar o quadro.”, diz a especialista.

Como a constipação crônica afeta a qualidade de vida

Com sintomas de prisão de ventre como inchaço e baixa energia. A constipação crônica afeta significativamente a qualidade de vida das pessoas devido à falta de sono e estresse mental e físico. Os problemas psicológicos mais comuns são irritabilidade, falta de interesse no trabalho, mudanças de humor, preocupação e vergonha.

Além disso a prisão de ventre crônica leva a uma diminuição da concentração, o que pode atrapalhar as atividades diárias.

Quais são os riscos da constipação?

“A constipação pode evoluir para uma suboclusão intestinal. Além disso, atrapalha a absorção do cálcio proveniente da dieta. A constipação crônica é um fator de risco para o desenvolvimento de neoplasias do intestino e para doença hemorroidária.”, diz Sales.

O que fazer se já tenho prisão de ventre

Muitas causas de constipação recorrente estão ligadas a hábitos de estilo de vida, como não beber água suficiente, não comer fibra suficiente ou um estilo de vida sedentário. Saiba o que fazer caso você já tenha a condição:

  • Ingestão de fibras (Quantidade recomendada pela Organização Mundial de Saúde-OMS: 25g por dia ou 400g de frutas e legumes). Batatas e raízes não contam.
  • Ingestão de líquidos (1,5 a 2 litros por dia)
  • Atividade física. A ciência provou que a yoga é uma ótima maneira de melhorar a saúde digestiva, relaxando a mente, corpo e aumentando o fluxo sanguíneo para o intestino.
  • Reeducação do reflexo evacuatório. O melhor momento para ir ao banheiro é, após o café da manhã, período em que os movimentos dos intestinos estão aumentados e o estímulo do café da manhã também contribui.
  • Caso as modificações de dieta e atividade física não sejam suficientes, suplementos e medicamentos podem ser adicionados à critério médico. A literatura médica mundial mais atualizada recomenda o uso de laxantes osmóticos, como a lactulose, um agente fisiológico que restabelece a regularidade intestinal e contribui para o equilíbrio da flora intestinal.

Como me prevenir

Ingerir bastante água durante o dia, presar por uma dieta rica em fibras e manter uma rotina com atividades físicas. Além disso, reduzir o álcool, a cafeína e bebidas com gás são formas de prevenir a prisão de ventre