Mônica Martelli: “Não tenho bunda de 20. Quero ter uma bunda boa de 50”

Por Camila Borowsky

Mônica Martelli
Foto Fabio Bartelt

Estou atrasada, mil desculpas!”, ela chegou gritando no estúdio, abraçando cada um da equipe e falando rápido no seu “carioquês”. Apenas se fazendo presente, Mônica Martelli, 51 anos, mudou a energia do lugar. Trouxe tiradas engraçadas, arrancando gargalhadas de todos. Ela estava legitimamente feliz e havia uma razão para isso: seu filme, Minha Vida em Marte, tinha levado o Grande Prêmio do Cinema Brasileiro na noite anterior.

Mas essa sua alegria é natural. Ela gosta de ver o copo meio cheio. E trabalha cada vez mais a aceitação corporal. Deixa claro que não deseja um corpinho de 20 anos. “Quero me sentir bonita com o melhor que posso me dar.”

Capa da edição nua de 2019, a atriz diz que, talvez, aos 18 anos, não faria esta edição. “Naquela idade, quando eu podia sambar na Sapucaí de biquíni que nada mexia, talvez não estivesse fazendo esta capa. Porque, quando você não se aceita, se olha com muitos defeitos. Já quando você se aceita, seu olhar diante do espelho muda.”

Leia mais

Mariana Ximenes: “Relaciono nudez com liberdade, não inseguranças”

E por que topou agora? “Olha, vou dizer com toda a sinceridade: estou no momento mais feliz da minha vida. E é por isso que aceitei. Porque você, quando se desnuda, precisa estar feliz. E isso é importante falar, para as mulheres entenderem que é possível, depois dos 40, dos 45, 50 anos, que é o meu caso, depois de uma separação superdolorosa, depois de viver um luto, de se reinventar, é possível você viver o momento mais feliz da vida. Eu nunca achei que fosse, aos 50 anos, estar vivendo o momento mais feliz da minha vida. E quero celebrá-lo!”

Confira abaixo nosso papo cheio de sinceridade e maturidade.

Entrevista com Mônica Martelli

Qual é a sua relação com a nudez?

Eu sempre fui muito tranquila em relação a ficar nua, tanto que nos lugares em que eu morava, quando tinha prédio perto, era um problema. Minha mãe falava: “Gente, pelo amor de Deus, para de andar pelada pela casa!”. Acho que eu nunca enxerguei meu corpo como: “Opa, você é grande, pode ser que chame a atenção aí nessa janela”. Na minha casa nudez nunca foi um tabu.

Como você se sente hoje nua em frente ao espelho?

Tem momentos em que enxergo uma coisa ótima e tem dias que vejo coisas que eu não gostaria. Eu gosto de me olhar no espelho e me ver bonita. Mas o meu parâmetro sou eu. Não estou fazendo isso para agradar ao outro. Eu conheço meu corpo, sei quando estou bem e percebo quando não estou bem.

Em pesquisa da WH, mais de 80% das entrevistadas relataram insegurança em ir à praia de biquíni…

Eu fico insegura também, igual a todas as mulheres. Teve um dia em que eu estava começando a namorar um cara e, na segunda saída, a gente foi para a praia. Pensei: “Não tem problema. Vamos colocar a canga na areia, entrar na água e voltar juntos. Não vai dar muito tempo para o cara me olhar”. Chega na hora e ele fala: “Amor, amor, vai lá! Não vou deixar nada aqui sozinho, olha o perigo de assalto!”.

Ele insistiu para que eu fosse primeiro. Eu levantei. Sabe quando você faz aquele caminho todo da canga para a água ao meio-dia [risos]? Eu só pensava que era certeza que a pessoa estava me olhando inteeeeira. Nem tinha paixão ainda para achar tudo lindo, entendeu? Na segunda saída, você ainda está querendo impressionar. E vou dizer uma coisa: tudo é insegurança nossa. Gente, nós somos muito mais rígidas com nós mesmas do que o outro. Nosso olhar é supercruel.

Você tem um olhar muito cruel sobre si mesma?

Eu tenho um olhar cruel porque sempre fui insegura. Quem olha não acha possível, mas é verdade. Por quê? Não fiz sucesso na adolescência. E todos falam: “Ah, tá, aquela história que todo mundo conta: muito alta, muito magra, como todo mundo quer ser?”. Não é isso. A gente tem que acolher as dores do outro.

Eu era de uma cidade de praia, Macaé (RJ), onde meu tipo físico não fazia sucesso. Então as minhas dores como adolescente eram profundas. Eu era a magrela, sem peito, sem bunda. E isso me fazia sofrer pra cacete. Isso porque as baixinhas, as gostosas, com bunda e peito faziam um puta sucesso. Eu me sentia rejeitada. Eu não era a que ficava com os meninos que eu mais queria. E essas inseguranças você carrega ao longo da vida. A maturidade melhora muito, mas em algum lugarzinho você volta a cair nelas. Em alguma rejeição, em algum “não” que ouve…

Você faz parte do grupo que sempre quer perder peso?

Não. Mas a gente está constantemente em busca de se melhorar. Agora comecei a correr. Graças ao meu novo namorado [Fernando Alterio, empresário, 66], que me colocou uma disciplina de corrida, e eu estou apaixonada pelo esporte. Comecei com 5 minutos, depois 10…. Hoje já estou correndo 40. O namorado me trouxe essa disciplina que liberta. Ela faz com que você tenha mais tempo, que cumpra metas.

Você é bem resolvida com a questão alimentar?

Sempre fui. Não tenho uma perdição. Fiquei até meio assim, depois de engravidar e voltar ao meu peso, as pessoas perguntavam o que eu tinha feito, e eu não havia feito muito. Amamentei e emagreci. Claro que tem uma genética que ajuda. Não existe uma beleza única. Entendo que esse padrão que nós vivemos hoje é cruel para muitas mulheres. E ele é da atualidade – porque antigamente não era assim.

Antes da Idade Média, quando as pessoas passavam fome, quando não tinha comida suficiente para a população, o gordo é que era o bem visto. Os reis e rainhas eram gordos, e a população que passava fome era esquelética. Então ter gordura era o padrão que todo mundo queria. Depois que a comida veio para todo mundo – hoje em dia não falta comida no mundo, o problema é a má distribuição, é uma questão política! A comida vai para o lixo – hoje, que a gente produz, o padrão mudou. E você se adequar a todos esses padrões é uma crueldade com todo mundo. Hoje em dia é diversidade! Não existe apenas mais um padrão de beleza.

Leia mais

Taís Araújo: “Quando eu faço exercício com disciplina, tudo melhora”

Mônica Martelli
Foto Fabio Bartelt

O mundo está mudando em relação a isso. É muito sofrimento você se adequar ao padrão. Eu, por exemplo, posso malhar, malhar e malhar e nunca vou conseguir ser musculosa. Quero ser bonita aos 50, me sentir bonita com a minha idade. Não quero ter bunda de 20. Quero ter uma bunda boa de 50, ter barriga de 50, braço de 50. E eu quero me sentir bonita com o melhor que posso me dar.

Agora, para este corpo, conto com a ajuda da drenagem da Vânia Silva, que aplica o método da Renata França. Adoro fazer a drenagem. Em qualquer lugar do mundo, vou atrás de drenagem, de massagem. Adoro o toque no corpo. E tem o Elias Tavares, com quem eu caminho. No meu caso, um professor me ajuda. Eu acordo e ele já está na minha cozinha. E tem o Victor Terenci, com quem eu treino musculação. Eles me ajudam muito, me incentivam e são pessoas que sei que estão cuidando de mim.

Você tem medo de envelhecer?

Tenho medo de meu corpo não acompanhar minha cabeça, que está sempre a mil. Amo a vida. Tenho um olhar positivo para a vida de verdade, quem convive comigo sabe. Eu tenho tanta coisa para fazer e já sei que não vou conseguir fazer tudo. Sou daquelas que, à noite, sempre acho que poderia ter feito mais.

O que faz você se sentir linda?

Quando eu estou de bem com os três pilares da minha vida: trabalho, minha filha e o amor.

Você acha que existe de verdade a aceitação corporal?

Existe. E, a partir desse momento, é muito libertador. Eu já me olhei com muitos defeitos. Acho que com 18 ou 20 anos, que eu podia sambar na Sapucaí de biquíni que nada mexia, talvez não estivesse fazendo esta capa. Porque, quando você não se aceita, se olha com muitos defeitos. Se você se aceita, seu olhar diante do espelho muda.

A adolescência é cruel, né? Como a gente tenta se aceitar, hormônios a mil, você quer ser igual aos outros. A gente, hoje, quando se aceita como é, entende que não vai agradar a todo mundo. Quando você entende isso, é uma libertação. Quando entende que não existe perfeição, que é daquele jeito, que você tem, sim, a bunda desse jeito, a perna desse jeito, mas que é linda desse jeito, começa a se achar linda.

Independência financeira

Para ela, liberdade tem a ver com ser dona do próprio dinheiro.

Quando você se sente mais livre?

Acho que é quando você consegue ser quem é. Quando eu sou, dentro de uma relação ou solteira, quem eu sou, realizando meus desejos. Falando o que quero, fazendo o que quero, transando quando quero, conversando do que eu quero. No trabalho, é realizando projetos que realmente acho que são bacanas para mim. E, em relação a dinheiro, eu realmente acho que só existe liberdade com independência financeira. Dentro desse mundo capitalista que a gente vive, não tem possibilidade de você depender do dinheiro do outro. A liberdade que tenho hoje é que sou dona da minha vida mesmo. Cresci com minha mãe feminista falando para mim: “A única possibilidade de você ser livre é sendo dona do seu próprio dinheiro. Nunca dependa de ninguém”. E fazer dinheiro e ser independente é um prazer para mim. Não é sofrimento.

Você é boa com o seu dinheiro?

Não. Tenho medo de entrar no banco. Nem olho o extrato. Tenho medo de dar de cara com alguma coisa que eu não saiba o que é [risos]. Como eu já fiquei muito tempo no cheque especial, guardo esse trauma. Minha terapeuta fala para mim: “Vamos atualizar essa identidade?”. Mas, sinceramente, meu prazer não está no acumular, está no fazer. Quando estou fazendo, sei que estou produzindo e, se estou produzindo, estou viva.

Onde mais gosta de gastar dinheiro?

Com viagens. Não faço economia ao viajar. Da viagem, o que fica é a experiência. Não ligo para carro, móvel caro. Não tenho essa questão, nem tenho apego a essas coisas. Mas com experiência não tem que fazer economia. O que fica é o que você viveu em Londres com a sua filha, o que viveu no Pantanal com a sua filha.

Não acabou por aqui, não! Quer conferir a entrevista com Mônica Martelli na íntegra? Então garanta a edição digital da WH Brasil aqui!