Aqui está tudo o que você precisa saber sobre pelos no bumbum

Por Alexandria Gomez – Women’s Health EUA

Foto Shutterstock

Pelos no bumbum: nós todas temos. Mas o que é aquele tufo entre as suas nádegas? Basicamente, pelos pubianos, mas em um diferente “endereço”. Então, o que mais você precisa saber? Nós perguntamos tudo aos dermatologistas.

1. Há uma razão para eles estarem lá

“Pelos serviram como um propósito evolutivo de nos manter aquecidos”, diz Joshua Zeichner, dermatologista do Mount Sinai Hospital, em Nova York (EUA).

Com o tempo, e nossa evolução, a necessidade do pelo corporal ficou cada vez menos importante. “Algo a enfatizar: a quantidade de pelo que você tem lá atrás, a espessura dele e quão escuro, é algo único para cada indivíduo. Contudo, algumas etnias tendem a ter mais fios do que outras”, explica Mona Gohara, dermatologista na Yale School of Medicine (EUA).

E mudanças hormonais também podem impactar os seus pelos do traseiro.

Leia mais

5 formas de se livrar das espinhas no bumbum
O que é clareamento anal e por que as pessoas estão fazendo?

2. Remoção a laser é a melhor para os pelos no bumbum

Sinceramente, todo mundo tem pelos nas nádegas e não há absolutamente nenhuma necessidade de se livrar deles, caso você não queira. Mas, se um bumbum com penugem não é a sua praia, então está tudo bem retirá-los. Como qualquer técnica de depilação, não existe aquela tipo “tamanho único”, mas a que usa o laser é definitivamente a mais eficiente.

Se você quer remover seus pelos do bumbum com laser, é esperado que precise de quatro a seis sessões, resultando em até 70% de redução no crescimento desses fios.

“Os tratamentos não são tão dolorosos”, diz Mona. “Bumbuns são resistentes. E ter pelos mais grossos e escuros são ainda mais indicados para o tratamento a laser, já que ele identifica o fio via pigmento.”

Após as sessões, evite roupas muito apertadas e dê ao seu corpo o tempo para a recuperação total da área.

E, claro, sempre se certifique de quem é o profissional que vai atendê-la. Cheque referências e certificados.

3. Mas você pode raspar ou depilar com cera

Cada técnica de depilação surge com seus próprios riscos. Para raspar com a lâmina, seu maior problema pode ser se cortar. Com a cera, você pode se queimar.

E, claro, irritação é algo comum. “Toda vez que arrancamos pelos, há uma propensão para inflamação”, diz Maya. “Cremes depilatórios são os que menos irritam depois do laser porque eles não puxam os pelos.”

Todas essas técnicas de remoção de pelos também colocam você em risco de desenvolver foliculite. Essa é uma pequena infecção que acontece dentro do folículo e resulta em bolinhas vermelhas que se parecem com acne. A foliculite cura sozinha em cerca de duas semanas e pode ser prevenida lavando a área com sabonete neutro após a depilação e evitando roupas apertadas.

Se optou por raspar, use o aparelho com uma ou duas lâminas, sempre na direção do crescimento dos pelos.

Se as bolinhas estão causando mais que uma irritação leve, procure um médico, já que pode ter desenvolvido um pelo encravado chatinho ou um cisto.

4. É importante manter a área hidratada

“Não importa como você vai remover o pelo, lembre-se que o processo afeta também a pele”, explica Joshua. Para manter sua derme saudável, é importante que você mantenha a área hidratada, isso evita cortes com lâminas e pelos encravados.

Mas lembre-se de sempre checar os ingredientes dos seus cremes: ácido alpha ou beta-hidroxi, retinol e vitamina C podem causar irritação se aplicados diretamente na pele recém-depilada.