O que seu médico pode fazer se seu antidepressivo perder o efeito

Por Markham Heid – Women’s Health EUA

Antidepressivo
Foto Shutterstock

A menos que você seja um médico, você provavelmente nunca ouviu a palavra “taquifilaxia”. É o termo médico para um medicamento que perdeu a eficácia e, de acordo com novas pesquisas, isso acontece no registro com antidepressivo.

De fato, até 57% dos pacientes que usam remédios antidepressivos podem ter seus sintomas “ressurgidos”, de acordo com uma recente revisão da Harvard Medical School (EUA). E, em alguns casos, a medicação antidepressiva pode parar de funcionar completamente.

Se você sentir que seu remédio para depressão não está funcionando como deveria, a primeira coisa a fazer é contar ao seu médico. “A fonte ou as fontes do problema precisam ser identificadas e corrigidas”, diz Robert Hedaya, professor clínico de psiquiatria da Georgetown University School of Medicine e fundador do Center for Whole Psychiatry + Brain Recovery (EUA).

Leia mais

Estudo conclui que pílula anticoncepcional pode causar depressão
Primeiro medicamento para depressão pós-parto é aprovado nos EUA

Hedaya explica que uma série de fatores pode levar à volta de sintomas de depressão ou perda da eficácia antidepressiva – tudo, desde uma mudança em seu relacionamento até uma doença subjacente, pode ser a causa. Não importa o que seja, seu médico pode ajudá-lo a classificar todas as variáveis e determinar os melhores remédios. Para se familiarizar com algumas soluções que o profissional pode recomendar, continue lendo.

O que seu médico pode fazer se seu antidepressivo perder o efeito

Prescrever psicoterapia

“Se o seu antidepressivo estava funcionando, mas parece ter parado, é provável que as causas subjacentes de sua depressão não tenham sido tratadas adequadamente”, diz Hedaya. Dito de outra forma, antidepressivos sozinhos provavelmente não manterão sua depressão a longo prazo.

“Medicamentos são importantes, mas quase todos os estudos mostram que tomar medicamentos juntamente com a psicoterapia é fundamental”, diz Michelle Riba, professora clínica de psiquiatria do University of Michigan Comprehensive Depression Center.

“Se a psicoterapia não for uma opção, se juntar a um grupo de apoio à depressão também ajudará”, diz Riba.

Sugerir uma nova dosagem ou outro medicamento

É possível que seu médico aumente ou diminua sua dosagem de antidepressivo para ajudar a restaurar a eficácia. “Mas primeiro queremos avaliar muitas outras coisas”, diz Riba. Por exemplo, beber ou fumar mais ou menos do que você normalmente faz poderia afetar a maneira como você responde ao seu antidepressivo, explica ela. Então, poderia tomar outros medicamentos não-antidepressivos ou suplementos.

“Mas se o problema realmente for sua medicação, aumentar ou diminuir sua dose pode ser eficaz”, acrescenta. Claro, isso é algo que seu médico deve supervisionar. Nunca ajuste sua dose, a menos que você tenha recebido a luz verde do seu médico.

Outra opção que seu médico pode recomendar: experimentar diferentes tipos de antidepressivos, já que nem todos os remédios funcionam da mesma maneira. Se, por exemplo, você estiver tomando um inibidor seletivo de recaptação de serotonina (ISRS), tentar uma classe diferente de medicamento pode ser útil.

Interromper o uso da medicação

Seu médico pode recomendar que você pare de tomar medicamentos por um período. Depois de um intervalo, “a receptividade [a um remédio] volta às vezes”, diz Steven Hollon, professor de psicologia na Vanderbilt University (EUA).

Este processo envolve uma ponderação lenta e cuidadosa e você precisará de orientação profissional para fazer isso com segurança. (Sério: não faça isso sozinha!) “Durante esse processo, é possível que seus sintomas piorem. Você pode até se tornar suicida”, adverte Riba.

Sugira tratamentos não medicamentosos

Não há dúvida de que o exercício regular é importante para a sua saúde física e mental, mas também há evidências de que a prática de exercícios pode ajudar a sufocar os sintomas de depressão se o antidepressivo não estiver funcionando bem.

Um relatório da Baylor College of Medicine (EUA) recomenda não usar medicação para depressão. E uma visão geral de 2019 da pesquisa sobre exercício e depressão sugere que todos os tipos de atividade física – da corrida à ioga – poderia ajudar as pessoas a administrar seus sintomas.

Isso não significa trocar medicação por exercícios, mas seguir orientações médicas e acrescentar exercícios pode ser útil.