Sabrina Sato sobre filha: “Não quero que seja nem frágil, nem mimada”

Por Camila Borowsky

Sabrina Sato filha
Foto Danilo Borges

Sete meses após dar à luz Zoe, Sabrina Sato já tem planos sobre como educar a filha. Em entrevista à WH Brasil de junho, a apresentadora contou que quer criar uma pequena forte e nada mimada. “Penso como deixar ela forte, e não frágil, para as pessoas que só se aproximarem dela por ela ser minha filha”, disse.

Abaixo você confere nosso papo:

Ter dado à luz uma menina mudou a sua percepção como enxerga a criação das mulheres?

Sempre busquei meu lugar no sol e fiz questão de exigir meus direitos iguais aos dos homens. Trabalhei muito tempo no Pânico na TV e nunca aceitei ganhar menos que eles. Sempre fui tratada igual. Isso é muito importante. Você colocar isso sempre na prática.

Lembro de quando era criança, domingo acabava o almoço e a minha mãe me mandava lavar a louça. Eu falava: “Só vou lavar quando meu pai e meu irmão resolverem lavar também” [risos].

Acho que [o mundo] vai estar diferente quando ela crescer. Quero que ela tenha as escolhas dela. Não quero que sinta tudo o que a gente sentiu, que já nem se compara com o que nossas mães e avós passaram. Acho que ela vai ser muito mais bem resolvida nesse sentido.

Leia mais sobre Sabrina Sato

“Amamentação dá muito cansaço”, conta Sabrina Sato

O Duda também é porque, além de ser meu marido, ele tem uma mãe muito forte, a Leda [Nagle, jornalista], que também foi precursora na TV. Ele gosta e admira mulheres fortes. Acho que ele vai ajudar muito a criar uma mulher forte. E a minha preocupação de sempre é: a Zoe crescer já sendo famosa, conhecida, mesmo sem querer isso. Penso como deixar ela forte, e não frágil, para as pessoas que só se aproximarem dela por ela ser minha filha.

Eu me preocupo para ela poder ter as escolhas dela. De ela poder ser quem ela quiser ser. Não quero que ela seja nem frágil, nem mimada. Acho que é meu maior desafio como mãe.

Como tem lidado com a culpa, que parece nascer junto com os filhos?

Nossa! Passo algumas horas longe dela e já me sinto culpada. Acho que faz parte do nosso papel.

Já consegue pensar em um irmão para a Zoe?

Vou esperar uns três ou quatro anos. Por agora eu quero cuidar dela, ter tempo para ela.

Você está gravando seu programa? Já tem data para voltar ao ar?

A gente volta com um programa novo. Volto a gravar no fim de junho e a estreia deve ser no fim de julho ou em agosto. E até nisso tive sorte. A Record foi muito legal comigo. Vamos fazer o programa por temporada. E posso ficar mais com a minha filha e tocar outros projetos.

Não acabou por aqui, não! Quer conferir a entrevista na íntegra? Então garanta sua revista nas bancas mais próximas ou adquira a edição digital da WH Brasil de junho aqui!