Sabrina Sato conta os segredos do bom humor

Não conseguimos nos desligar da energia boa que vem da apresentadora

Por Larissa Serpa

Todo mundo conheceu uma pessoa que, quando entra na sala, deixa o clima mais leve, como se todo o estresse fugisse pela janela. O que sobra é um ambiente descontraído e muito animado. Essa é Sabrina Sato. Aos 35 anos, a apresentadora não deixa a correria da vida afetar seu humor nem seu desempenho, seja no trabalho ou nos treinos. “Eu sou alguém que sempre tenta ver o lado bom de tudo, não consigo me colocar para baixo e acho que isso vem de me ver como dona da minha própria vida”, conta enquanto devora um punhado de nozes e checa o relógio. Ela ainda tem um evento para atender em duas horas, mas nem isso faz a interiorana de Penápolis, uma cidadezinha em São Paulo com pouco mais de 60 mil habitantes, se desligar do momento. A atenção que dá quando conversa com cada um na sala já dá o tom de como ela trata todos os aspectos da vida: com muito carinho.

CHEIA DE LUZ

Sabrina parece mais alta que seus 1,70m de altura ao entrar na sala. Talvez sejam as plataformas Stella McCartney, talvez seja a postura confiante. A ex-morena havia pintado o cabelo na noite anterior ao ensaio de WH e, diferentemente da maioria das mortais, não estava nem um pouco insegura com o resultado, menos de 24 horas após a transformação. “Eu adoro me destacar. Sempre fui exibida, fazia sentido ficar mais iluminada.” O loiro dourado com mechas mais claras foi obra da cabeleireira Gill Almeida, de São Paulo, mas a segurança para bancar a mudança é 100% de Sabrina. “Eu canso muito rápido de tudo, preciso sempre inovar, tem sempre que renovar a relação, né?”, brinca.

Desinibida e sem medo de se abrir, ela já conta sobre o novo relacionamento. A apresentadora conheceu o ator Duda Nagle como poderia acontecer com qualquer uma de nós: pelas redes sociais. O ator curtiu algumas fotos dela no Instagram e então resolveu enviar uma mensagem privada pelo aplicativo. “Eu fingi que não vi, mas um dia estava em casa sem fazer nada, me deu vontade de responder. A ideia inicialmente era só aproveitar, dar uns beijos. Mas a gente não manda no coração.” Sabrina é contra qualquer tipo de joguinho de conquista. “As mulheres não precisam seguir regras de comportamento em encontro nenhum. Temos que fazer o que tivermos vontade, não tem que esperar o cara ter atitude. Mas se você não se sente à vontade tomando esse papel, também tudo bem. Quanto mais natural, melhor. Não tem que agradar o cara, mas sim a si mesma. Até porque, quando estamos preocupadas com nós mesmas, eles amam”, ri.

A atitude parece estar funcionando: Sabrina e Duda já estão há seis meses juntos e felizes. “Faz bem namorar. E não estou falando só de transar ou beijar, mas abraçar, cheirar, conversar, ouvir. Tudo isso faz muito bem. E aprendi esses dois últimos tópicos recentemente. Não era muito de discutir o relacionamento antes, mas descobri que esclarecer tudo no mesmo dia faz diferença, sejam coisas boas ou ruins. Ficar guardando para si desgasta demais o relacionamento.”

“Tive tudo pra sofrer preconceito, já que apareci depois do Big Brother Brasil. Mas o segredo é que nunca me levei muito a sério, então nunca me abalei com isso.”

MATERNIDADE À VISTA

Se pretende casar? A ideia até a agrada, mas a preocupação é com os preparativos. “Me disseram que demora, no mínimo, um ano para planejar, eu não tenho paciência”, conta, “mas filhos eu queria dois, já no ano que vem. Meu maior medo é seguir os passos das mulheres da minha família e querer largar tudo para me dedicar às crianças”.

Não que ela não apoie mulheres que tomem essa decisão – a mãe a criou desse jeito e Sabrina sempre se espelhou nela. Mas a preocupação vem do pensamento de abandonar os projetos que ainda sonha em tocar, além dos que já estão em curso.

Para começar, são mais de 15 linhas com sua assinatura, entre roupas, acessórios fitness, maquiagem, óculos, shakes e outros produtos, isso sem falar das inúmeras campanhas, presenças em eventos e o trabalho como apresentadora na Record. E ela não pensa em pisar no freio tão cedo. Também não é de se esperar menos de alguém que desde os 7 anos de idade sonha em trabalhar na televisão. “Desde então eu já queria estar na TV, mas minha mãe não deixou. O jeito foi ir me preparando: fiz cursos de teatro, de dança… Tudo que pudesse me ajudar na interpretação”, conta.

GIRL POWER

Hoje, Sabrina é uma das poucas apresentadoras mulheres no comando de um programa solo no Brasil. “Tive tudo para sofrer preconceito, já que apareci depois de um reality show, o Big Brother Brasil. Mas o segredo é que nunca me levei muito a sério, então nunca me abalei com isso”, diz. “Não que não exista discriminação. Por ser mulher, por exemplo. Foco muito na figura feminina em meu programa e vejo como o machismo viaja todas as classes sociais. Mas sempre achei a mulher muito mais poderosa. Amo tanto ser mulher! Acho que a gente teve conquistas muito grandes nos últimos anos e o homem ainda está meio perdido, não conseguiu se adaptar totalmente a essa nova figura. E ainda falta muito para conquistarmos.”

Foi se vendo tão confortável no papel da figura feminina que Sabrina aceitou assumir o posto de embaixadora da campanha pelo Outubro Rosa. “Nós temos uma vida tão agitada que nos esquecemos de cuidar de nós mesmas e, se eu tenho um trabalho que me permite alertar e conscientizar, é meu dever fazer isso.”

E a vontade de ajudar –  e de trabalhar – não para aí. O maior sonho? Criar o Instituto Sabrina Sato, com o objetivo de oferecer cursos para mulheres carentes, ajudando-as a conseguir melhores empregos, e ao mesmo tempo instrução para seus filhos com aulas de música, dança, teatro e artes. Assim, ela pretende dar maior tranquilidade para as mães aprenderem e mais oportunidades para as crianças. “A papelada já está encaminhada, mas falta ainda muita coisa, estou muito ansiosa”, conta, com alegria contagiante.