O que posso fazer para controlar o frizz no cabelo?

Por Gabriela Ingrid

Frizz no cabelo
Foto Shutterstock

Liso, cacheado, crespo, fino ou grosso. Não importam as características dos seus fios, todos podem apresentar o temido frizz no cabelo. “O problema atinge qualquer mulher, tenha fios volumosos ou não”, diz o hairstylist Diego Queiroz, do salão MG Hair, de São Paulo.

A melhor arma para enfrentá-lo? Entender. “Ele nada mais é que um cabelo danificado pela falta de hidratação e frequente agressão”, define nosso consultor de beleza Edu Hyde, beauty artist das agências SD Management, em São Paulo, e Jed Root, em Nova York.

A má notícia é que dias quentes podem piorar a situação. “O sol é um dos agentes que faz com que as cutículas percam água, deixando os fios ainda mais desidratados e ressecados”, explica Edu. Mas os rebeldes têm solução – e ela pode ser mais simples do que imagina. Confira o manual básico que preparamos para você aproveitar a estação sem arrepiar os cabelos.

Primeiramente, por que temos frizz no cabelo?

Quando alguns fios estão danificados e desidratados, as escamas que os compõem se abrem, na tentativa de absorver a água do ambiente e recuperar a nutrição. A intenção é boa, mas a aparência que fica é de frizz.

E de onde vem a agressão? Todo lugar. “As pessoas prejudicam os fios até mesmo com hábitos ruins, como má alimentação, estresse, muita química sem manutenção e uso de cosméticos de má qualidade”, diz Edu.

Diego ainda chama atenção para os vilões “extremos”: “Colorações, descolorações, uso de prancha, secador, modelador e os processos de alisamento só pioram o quadro”.

Melhor prevenir…

Segundo Diego, a melhor maneira de fugir do frizz, além de evitar situações de estresse e alimentação cheia de toxinas, que ressecam os fios, é realizar uma hidratação regularmente.

O hairstylist sugere o tratamento duas vezes por semana em casa e quinzenalmente no salão. “Procure por tratamentos com óleos vegetais. Eles vão nutrir por dentro e acabar com o frizz.”

Mesmo que sua raiz seja oleosa, o tratamento é fundamental – basta utilizar os produtos certos. “Use um shampoo específico para remover a oleosidade da raiz e escolha uma máscara destinada a esse tipo de cabelo”, afirma Edu.

Acima de tudo, se você não consegue abrir mão de procedimentos que agridem mais os fios, como tinturas e alisamentos, escolha profissionais qualificados e bons produtos. A agressão excessiva que vem com um tratamento malfeito pode ter um efeito rebote e fazer com que os bulbos capilares produzam ainda mais sebo, para compensar a falta de hidratação.

Cuidados extra para evitar o frizz no cabelo

Os cuidados não se limitam ao chuveiro. “Quando for secar os fios, passe a toalha suavemente pelo comprimento, apertando-a em volta do cabelo, para retirar o excesso de água. Nunca esfregue-a na cabeça”, diz Edu. Isso evita uma agressão física, que abre as escamas. E atente-se para os finalizadores, escolhendo de acordo com o seu objetivo:

– Leave-in: Protege os cabelos das agressões diárias e controla o volume e os fios arrepiados, já que fecha as cutículas.

– Protetor térmico: Evita as agressões térmicas, como o calor do secador e da chapinha.

– Defrizzante: Controla os fios que já estão arrepiados e rebeldes.

– Reparador de pontas: Também fecha as cutículas, selando as pontas duplas temporariamente, eliminando o frizz e dando brilho. “Prefira um reparador de pontas 100% silicone, para evitar que o cabelo seja danificado pela exposição solar. Reparador com óleo, quando exposto ao sol, pode prejudicar ainda mais o cabelo”, diz Edu.