7 perguntas que você sempre quis fazer sobre protetor solar

Por Larissa Serpa

Todo ano, é a mesma história: profissionais, marcas e publicações de saúde e bem-estar lembram você da importância do protetor solar de pele contra os raios UV – principalmente quando o verão se aproxima.

Ainda assim, uma pesquisa do Instituto de Ciências Tecnológicas e Qualidade Industrial divulgada este ano revelou que 48% dos brasileiros ainda não estão dando ouvidos a esses alertas. Essa é a porcentagem de pessoas que resiste em passar o produto antes de se expor. Segundo Marcus Vinicius de Andrade, diretor do estudo, um dos principais motivos alegados é a oleosidade que fica na pele.

Fala sério! Com toda a tecnologia atual desenvolvida justamente para dar uma consistência mais leve aos produtos, não dá para aceitar essa desculpa. Agora, se você faz parte dos outros 52%, estamos orgulhosas.

Mas nada de achar que só aplicar uma camada já basta para nossa total aprovação – e dos profissionais de saúde. Ainda tem muita coisa que você pode estar fazendo errado. Descubra os erros que você talvez esteja cometendo.

Posso reutilizar o protetor do verão passado?

A gente aposta que você ainda tem o frasco que comprou no ano anterior – ao menos para o corpo. Mas, antes de colocá-lo na bolsa de praia, preste atenção à validade. “As substâncias químicas utilizadas na composição do produto não vão conferir fotoproteção se estiverem deterioradas”, explica a dermatologista Denise Chambarelli, do Rio de Janeiro. Além disso, ativos vencidos ainda podem causar irritações e alergias na sua pele. E se o produto for estocado em ambiente sem temperatura controlada, pode perder a validade antes. Caso a textura mude ou suas fases começarem a separar (soltando água, por exemplo), jogue fora.

Preciso de proteção solar mesmo se minha pele é escura?

É verdade que mais pigmento na pele equivale a maior proteção natural, mas isso não significa que você está liberada do protetor. “Apesar de envelhecer e queimar menos com o sol, essa pele pode apresentar manchas com mais facilidade, justamente por ter mais melanina. Além disso, também apresenta riscos de câncer”, avisa a dermatologista Claudia Marçal, de Campinas (SP), que indica o uso mínimo de FPS 15 para o corpo e 30 para o rosto.

Tudo bem tomar pouco sol sem o produto, para desenvolver o bronzeado, antes de passar o creme?

Qualquer exposição solar queima a pele, mesmo antes da reação inflamatória de vermelhidão. “O protetor deve ser aplicado de 20 a 30 minutos antes de ir para o sol para que o produto seja absorvido”, ensina a dermatologista Tathya Taranto, de Belo Horizonte, que indica o uso de autobronzeadores para as horas de emergência em que queremos um tom dourado imediato.

Se eu usar um chapéu, posso dispensar o cuidado com o rosto?

Até a aba mais ampla não consegue proteger todas as partes do seu rosto, já que os raios ultravioletas (ou UV) não vêm apenas diretamente do céu, mas também refletidos da areia, chão, água… “Assim como você não tem carta branca para dispensar o protetor se está de chapéu, o mesmo vale para o contrário. A proteção completa inclui a barreira química do protetor e a física, de tecidos e sombras”, diz Claudio Wulkan, dermatologista da Hospital Israelita Albert Einstein, de São Paulo.

Eu realmente devo reaplicar a cada duas horas?

Sim. O termostato natural do seu organismo mantém o corpo resfriado por meio do suor, o que dilui a ação do protetor. Além disso, mesmo se você conseguir permanecer sequinha, estudos comprovam que a eficácia dos protetores cai próximo à metade a cada duas horas. “Em casos de exposição intensa, transpiração excessiva e contato com a água, a frequência deve ser ainda maior”, indica Tathya. Nesses casos, reaplique a cada 60 minutos ou logo após o mergulho.

Leia mais

Protetor solar: você reaplica?
4 mitos sobre o protetor solar
Manchas escuras: Como clarear a pele com protetores solares

É verdade que me expor ao sol sem protetor “seca” espinhas?

Mito. O sol e bronzeado até podem secar o pus superficialmente e disfarçar a vermelhidão, mas espere pelo efeito rebote. “Os raios vão ressecar a pele, principalmente se a exposição não for dentro dos horários recomendados (antes das 10h e depois das 16h), o que causa a melhora temporária, mas, posteriormente, ativa as glândulas sebáceas para compensar a falta de hidratação. Se a área já está inflamada, como no caso de espinhas, a produção de sebo será ainda maior”, avisa Claudia. Se você tem acne, use protetores com textura sérum, que costumam ser mais sequinhos.

 Existe benefícios em comprar um FPS acima de 30?

“Segundo o FDA, órgão americano que fiscaliza medicamentos, o FPS 30, se aplicado corretamente, oferece quase 96% de proteção solar”, explica Tathya. “A questão é que a maioria das pessoas aplica a loção de forma inadequada, utilizando menos produtos do que deveria. Assim, aumentamos o FPS para compensar.”