Mulher tem 180 orgasmos em duas horas devido a distúrbio

Por Kristin Canning – Women’s Health EUA

O que é o distúrbio dos orgasmos incontroláveis?
Foto Shutterstock

O termo “orgasmos incontroláveis” pode parecer uma bênção de boa sorte, mas confie: está longe disso. O persistente distúrbio da excitação genital (PSAS)- como é chamado na medicina – é uma condição que descreve quando uma mulher experimenta excitação genital sem qualquer estimulação sexual ou genital, segundo a The International Society of Sexual Medicine (ISSM).

E o PSAS não é de forma alguma divertido: os orgasmos espontâneos nem sempre são satisfatórios. “Esses orgasmos não apenas podem ser dolorosos, mas também podem deixar a mulher se sentindo a beira de outro orgasmo, sem alívio”, explica a colunista da WH EUA, Jessica Shepherd, ginecologista, obstetra e fundadora do Her Viewpoint (EUA).

Além disso, os orgasmos incontroláveis são apenas uma parte do distúrbio. Outros sintomas incluem formigamento no clitóris, irritação genital, dor, pressão e latejamento, aumento do fluxo sanguíneo para os genitais e contrações vaginais. “Todos eles podem durar horas ou até dias. Isso torna difícil para as mulheres com PSAS terem vidas normais”, acrescenta Shepherd.

“Exatamente quantas mulheres sofrem com a condição não é clara, uma vez que muitas são muito constrangidas para falar sobre isso”, conta a profissional. De fato, é comum que essas mulheres se sintam ansiosas e deprimidas por causa dos sintomas, de acordo com o ISSM.

Leia mais

O que é o capuz do clitóris e como ele afeta o orgasmo feminino?
Cólica depois do orgasmo: por que isso acontece e como evitar

Se você está curiosa para saber como é viver com o PSAS, conheça a história de Cara Anaya. Ao compartilhar sua história com Barcroft Media para aumentar a conscientização sobre o distúrbio, ela conta que teve 180 orgasmos em duas horas.

Tudo começou quando Cara estava fazendo compras uma tarde quando inexplicavelmente se sentiu excitada.“Você nunca está satisfeita. Eu estou cansada, exausta. Mas agora sei que nos próximos segundos, minutos e horas, outro [orgasmo] vai acontecer”, contou. “Tem sido uma batalha viver com essa condição. Nunca foi fácil. Não é algo que eu desejaria para alguém.”

Então, o que causa orgasmos incontroláveis?

Não se engane: eles são completamente alheios ao desejo sexual. “PSAS não é o mesmo que hipersexualidade”, diz Shepherd. “É um distúrbio da dor, e essa é uma distinção importante a ser feita.”

Dito isso, os médicos e pesquisadores não sabem ao certo o que causa a condição. Mas os especialistas acham que, pelo menos para algumas mulheres, o PSAS pode ser desencadeado por estresse ou alterações neurológicas ou vasculares.

Alguns pequenos estudos também analisaram uma ligação entre alterações hormonais induzidas por medicamentos e PSAS, bem como uma ligação potencial à síndrome das pernas inquietas, bexiga hiperativa e cistos de Tarlov na coluna vertebral. Mas, novamente, essas descobertas foram baseadas em pequenas populações. “Há também uma pesquisa sobre como o PSAS pode se desenvolver, além de outros distúrbios da dor pélvica, como endometriose, cistite intersticial e vulvodinia”, completa Shepherd.

Como trata orgasmos incontroláveis?

Não há cura conhecida (pelo menos, ainda não) para o distúrbio, mas os sintomas podem ser gerenciados de várias maneiras. Como o estresse pode ser um culpado, a terapia cognitivo-comportamental é útil para algumas mulheres.

Nas sessões de terapia, as pacientes podem identificar fatores que causam o agravamento do PSAS e aprender a lidar com o constrangimento e ansiedade que os orgasmos incontroláveis podem causar. Ansiedade sobre a condição pode frequentemente piorar os sintomas físicos, de acordo com o ISSM.

“Inibidores seletivos da recaptação da serotonina (SSRI) também são um tratamento comum, uma vez que podem ajudar na sensação na área e podem interagir com os hormônios, receptores e nervos que causam ou agravam os sintomas”, diz Shepherd. Sem mencionar que esses medicamentos, normalmente prescritos para depressão e ansiedade, podem ajudar a aliviar o estresse psicológico em torno de orgasmos incontroláveis.

Exercícios no assoalho pélvico, assim como agentes anestesiantes ou gelo aplicados nos genitais, também podem aliviar os sintomas físicos para algumas pessoas.

Se você tiver orgasmos incontroláveis ou qualquer um dos outros sintomas do PSAS, Shepherd aconselha você a se abrir ao seu médico ou ginecologista. “Por ser uma condição pélvica, há muita vergonha em torno disso”, acrescenta ela. “Eu acho que muitas mulheres estão sofrendo em silêncio.”