Dá pra ser feliz praticando esportes, sim!

Esporte e mulher combinam perfeitamente. Duvida?

shutterstock

Por Angélica Souza

Um dos resultados de uma pesquisa recente divulgada no evento “Meninas que jogam”, realizado este mês no Museu do Futebol, mostrou que 70,5% das meninas de 8 a 12 anos responderam que praticar esporte é importante para ser feliz.

Acredito que todo mundo já teve aquele sentimento nostálgico ao olhar fotos antigas, principalmente da infância e adolescência: eu era feliz e não sabia. Pois é, essas meninas estão nos mostrando que elas sabem como ser feliz. E, sim, meninas, apesar de terem poucos anos, pouca experiência e estarem apenas no começo dessa jornada. Vocês estão certas, não tem como negar.

O esporte, tão negado às meninas na infância e na adolescência – substituído por bonecas, atividades domésticas e outras besteiras de “coisas de menina”, é parte fundamental da construção de uma pessoa com qualidades e capacidades para ser um adulto confiante, sociável, disciplinado e saudável.

Eu, MESMO SENDO MENINA, sempre tive o esporte como pilar principal da minha vidinha infantil e da minha vida agora. E a primeira sensação que ele me deu foi pertencimento. Foi assim que eu escolhi meu time de futebol, para me sentir parte de algo, para ter companheiros que cantam, vibram e divertem com a mesma paixão.  E quanta alegria eu sentia nisso.

Angélica (terceira, da esq. para dir.) arquivo pessoal

Na prática do esporte, objeto da pesquisa citada acima, o sentimento é ainda mais intenso. Vocês já fizeram parte de um time?

Jogando futebol, desde o time da rua, era incrível poder jogar, dar risada, comemorar, gritar “TAFAAAAREL”, a cada defesa do goleiro. E aí tinha brigas, birras e castigos paternos (os cartões amarelos e vermelhos daquela idade). Ali se aprende a perder, a ganhar e, principalmente, que depois do jogo, todo mundo podia voltar a ser amigo.

Na escola, começam os treinos – quem não se sentia uma jogadora profissional só por treinar fundamento depois da aula? – , os torneios contra outros times, como é bom jogar (e ganhar também) com suas amigas, defender as mesmas cores, ter torcida. Tem tristeza nas derrotas? Tem, sim. Mas tudo superado pela convivência, pelas comemorações e pelas amizades. Ali passamos a entender que com aquelas amigas, podemos dividir a vida muito além da quadra, campo, tatame, piscinas…

Já entrando na vida adulta, tem os jogos universitários, as rivalidades com outras faculdades, novamente a incrível sensação de pertencimento, de estar junto com outras pessoas em busca de um objetivo em comum, se sentir parte de algo é vital para todo mundo e para quem pratica esporte é para lá de especial. Ninguém, no esporte amador, joga em um time com pessoas que não se identifica. Não dá. Não orna.

As situações colocadas aqui são de quem começou o esporte criança e continuou até a vida adulta e, infelizmente, não é o que acontece com a maioria das meninas: até os 17 anos, mais da metade das meninas (53%) terá abandonado o esporte, justamente no momento em que o esporte poderia beneficiá-las mais*. Ou seja, aquelas que apesar de todas as adversidades na infância conseguiram praticar alguma modalidade, não se sentem estimuladas a continuar depois da puberdade e um dos grandes motivos é a falta de exemplos femininos para inspirá-las.

Felizmente, cada vez mais, outras mulheres descobrem o prazer de jogar mais tarde, já adultas, e incluem o esporte na rotina.  Ainda é pouco, mas é uma esperança.

Obviamente, nem todas as meninas vão ter vontade de  “seguir carreira” no esporte amador, mas são elas que devem escolher se não querem. Não se pode negar o direito de conhecer bolas, raquetes, quadras, campos, raias, tatames. Tampouco de correr, de comemorar, de competir. As meninas estão pedindo por mais esporte, elas querem ser mais felizes e sabem como.

*Dados de uma pesquisa global encomendada pela marca Always.

Angélica Souza, Nayara Perone, Roberta Nina e Renata Mendonça são quatro mulheres apaixonadas pelo futebol que se uniram para levar informação de qualidade e angariar adeptos para uma causa: conferir mais atenção, espaço e respeito pelo sexo feminino no meio esportivo com e, juntas fundaram o portal ~dibradoras.

COMPARTILHAR