Bronzeado perfeito: o perigo dos métodos caseiros

Saiba como chegar ao tom que deseja, mas sem se descuidar

Por Maurizio Pupo, farmacêutico especialista em cosméticos

O verão está chegando e todas as atenções se voltam para a estação do bronzeado. O que muita gente não sabe é que bronzear a pele exige cuidados muito especiais para que se possa obter a cor desejada, porém sem colocar a saúde em risco. E neste último quesito estão os perigos dos bronzeadores caseiros e aqueles feitos comprados de pessoas não autorizadas a fabricá-los, geralmente obtidos de receitas “milagrosas” que prometem a cor dos seus sonhos em poucos dias de uso.

Em primeiro lugar é preciso saber que não existe mágica e que com o sol não se brinca. Sem a proteção adequada, os raios solares podem provocar manchas escuras, rugas, flacidez, marcas profundas e até levar à morte. E isso fica ainda pior quando falamos do sol do nosso Brasil, um país localizado na região tropical – e também com áreas equatoriais – onde a incidência de raios ultravioleta é fantasticamente elevada.

A receita para um bronzeado perfeito é utilizar bons protetores solares, de marcas que garantam a proteção e prezem pela qualidade de seus produtos e sempre com FPS maior ou igual a 30 – quanto mais clara for a pele maior será o fator de proteção necessário para mantê-la protegida. O produto deve ser reaplicado a cada 2 horas de forma homogênea em todo o corpo. Em seguida deve-se expor gradualmente ao sol, isto é, a cada dia de praia pode-se aumentar um pouco o tempo de exposição começando com 20 a 30 minutos no primeiro dia e aumentando gradual e lentamente nos dias seguintes. Essa é a única e segura receita para se obter um bronzeado perfeito sem ardor e sem descamação.

Evite sempre aplicar na pele produtos caseiros à base de plantas ou frutas – muitas plantas e frutas causam queimaduras graves quando expostas ao sol. Evite produtos à base de óleo mineral – como a parafina, vaselina ou óleos corporais, mesmo que sejam os infantis – e evite também produtos que não sejam fabricados segundo as regras brasileiras ou europeias para proteção solar, produtos vendidos em sites suspeitos ou ainda que não possuam registro no Brasil.

Quanto às cápsulas que prometem bronzear, elas são apenas um complemento. São geralmente feitas à base de licopeno, um pigmento alaranjado que se deposita na pele dando uma falsa sensação de bronzeado. O importante é saber que as cápsulas bronzeadoras nunca substituem os protetores solares tópicos e que para que façam efeito seu uso deve ser iniciado ao menos 30 dias antes de se expor ao sol.

Não se esqueça ainda de beber muita água e ingerir uma grande quantidade de frutas frescas que, por serem ricas em antioxidantes, irão ajudar a reduzir os danos que o sol causa a pele.

COMPARTILHAR