Aquele problema de saúde que a deixa envergonhada é mais comum do que você imagina!

Entenda um pouco mais sobre as causas e “curas” para algumas questões nebulosas

shutterstock

Por Gabriela Ferigato e Cassie Shortsleeve

Aumento de pelos no corpo e rosto

Por que você não precisa se desesperar: O nome desse problema é hirsutismo, e a quantidade de mulheres em idade reprodutiva com esse sintoma (pelos em locais como buço, queixo, glúteos, lombar, abdômen…) gira em torno de 10%. A principal causa é a síndrome dos ovários policísticos (SOP), tendo como manifestação mais comum a ausência ou o espaçamento exagerado das menstruações, que pode vir acompanhado de espinhas ou aumento de gordura na barriga. Esse caso é tratável, mas há também o hirsutismo idiopático, que não é uma síndrome, mas, sim, uma característica inata da mulher, que apresenta maior sensibilidade aos hormônios masculinos.

O que fazer: Segundo Helena Proni Fonseca, médica assistente no setor de Ginecologia Endócrina, Climatério e Anticoncepção da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa, em São Paulo, o tratamento mais indicado para a  síndrome dos ovários policísticos é a perda de peso por meio de uma alimentação mais balanceada ou o uso de anticoncepcionais para regular os hormônios. No caso do hirsutismo idiopático, a depilação a laser pode ser uma forma de resolução do problema. Mas atenção! Ela não é indicada quando a condição é causada pela SOP, já que a oscilação hormonal pode fazer com que os pelos voltem – e você gaste uma boa grana à toa.

Verrugas

Por que você não precisa se desesperar: Popularmente conhecido como verruga, esse pigmento saliente e de superfície áspera, cientificamente chamado de papiloma, é quase sempre benigno. Ela pode aparecer em qualquer lugar do corpo, mas geralmente ocorre ao redor do olho e pescoço e áreas em que sua pele é esfregada com mais frequência, como a parte interior dos braços, das coxas ou das axilas. “Papilomas ocorrem em qualquer idade, mas o pico de incidência está entre os 12 a 16 anos”, diz Stella Ramos e Silva, dermatologista do Rio de Janeiro. Um caso particular é quando a verruga aparece no colo do útero, pois pode ser consequência da infecção do papilomavírus, o HPV. Mas, ainda assim, permaneça tranquila até que os exames determinem o vírus, já que ele apresenta mais de 70 subtipos, e a minoria deles apresenta risco de câncer.

O que fazer agora: Nada. A não ser que elas a incomodem. Nesse caso, devem ser analisadas em consulta com o dermatologista ou ginecologista. “O objetivo é a destruição e a remoção das verrugas, o que nunca deve ser feito em casa, sem acompanhamento médico”, enfatiza Stella. Os tratamentos incluem a crioterapia (tratamento com nitrogênio líquido que congela as verrugas até que elas caiam sozinhas), a cauterização química (que queima o local) ou à base de cremes.

Pedras nas amígdalas

Por que você não precisa se desesperar: Os chamados cáseos são pequenas massas esbranquiçadas ou amareladas de odor desagradável que podem sair pela boca ao tossir, espirrar ou até mesmo falar. Eles ocorrem porque as amígdalas possuem pequenos poros onde bactérias e células mortas se acumulam e podem formar pedras. Quem tem crises de amigdalite é mais propenso a desenvolver cáseos.

O que fazer agora: Geralmente não representam grandes riscos à saúde – é só tossir para fora quando senti-los no fundo da garganta. Mas, se forem acompanhados de sintomas como dor, febre e mal-estar, o recomendado é procurar um médico. De acordo com Marcel Menon Miyake, otorrinolaringologista da Clínica Menon e da Santa Casa, em São Paulo, medidas como beber bastante água, ter uma higiene oral adequada e realizar gargarejos com água ou enxaguantes bucais não alcoólicos podem ajudar a prevenir a formação.

Cisto vulvar

Por que você não precisa se desesperar: Os cistos são lesões com conteúdo líquido. Os principais são o cisto da glândula Bartholin (localizada na entrada da vagina, na região interna dos grandes lábios), o do ducto de Skene (lateralmente à uretra) e os de inclusão epidérmicos (qualquer localização da vulva). A causa é, normalmente, a obstrução das glândulas, gerando um acúmulo de secreção. Frequentemente não apresentam problemas e, a não ser que sejam vermelhos ou provoquem coceira, não são uma DST. Mas, dependendo do tamanho, podem atrapalhar a relação sexual e causar dor.

O que fazer: Geralmente desaparecem sozinhos dentro de algumas semanas, mas podem permanecer do mesmo tamanho por anos, sem causar maiores problemas. “A necessidade de atendimento mais urgente surge quando há sinais de infecção, ou seja, quando ele começa a produzir pus, o que exige tratamento com antibióticos e eventualmente drenagem do conteúdo”, explica Helena.

Odor corporal intenso

Por que você não precisa se desesperar: Seu corpo tem dois tipos de glândulas de suor: as écrinas, localizadas em toda a parte e que produzem e liberam um fluido inodoro para esfriar seu corpo, e as apócrinas, concentradas nas regiões das axilas, genitais e mamilos, que liberam um suor que ganha o odor característico que todos conhecemos em contato com as bactérias da pele. A principal causa do cheiro exagerado? Segundo Amanda Athayde, médica do Rio de Janeiro e membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, são alterações hormonais, ou o predomínio de hormônios masculinos sobre os femininos. Mas ele também pode ser causado por certos alimentos. Temperos como curry e alho, além de vegetais como cebola e aspargo, podem depositar enxofre no seu organismo, resultando no suor malcheiroso cerca de 12 horas após o consumo.

O que fazer agora: Não precisa tirar esses ingredientes da dieta, mas dê preferência aos sabonetes antissépticos e aos desodorantes antitranspirantes nesses dias. Se o odor é constante, e não pontual, o mais indicado é procurar um médico especialista em hormônios para o diagnóstico correto e seguir as indicações de tratamento adequado para cada caso.

Hematomas inexplicáveis

Por que você não precisa se desesperar: Quando eles não surgem devido a uma batida ou contusão forte, podem significar disfunções de vasos sanguíneos (como a púrpura, que ocorre quando pequenos vasos sanguíneos se juntam ou vazam por baixo da pele) ou ainda que você está ingerindo – ou não ingerindo – algo diferente. “A carência de algumas substâncias presentes na alimentação, como a vitamina C, um potente antioxidante, facilita o surgimento dos hematomas após um trauma, assim como o uso do ácido acetilsalicílico (aspirina) e medicamentos anticoagulantes ou antiagregantes plaquetários, pois deixam o sangue mais fino e mais propenso a formar hematomas com batidas leves”, explica Stella.

O que fazer: Insira mais frutas cítricas na sua alimentação e, se os hematomas desaparecerem dentro de uma semana, não se preocupe. Entre as opções terapêuticas que aceleram o processo, Stella indica gel ou pomada de arnica, que tem ação anti-inflamatória, além de auxiliar na circulação sanguínea local. Se os machucados duram muito tempo ou vêm acompanhados de outros sintomas, como sangramentos nasais ou da gengiva, escurecimento da urina ou dores articulares persistentes, procure um médico para descobrir a causa.

COMPARTILHAR